Transporte de cargas perigosas: tudo que você precisa saber!

Redação Latino Cargas
Em:  
Logística
Escrito por
Redação Latino Cargas

As atividades logísticas apresentam diversos tipos de riscos e é dever das transportadoras tentar mitigá-los ao máximo. No caso do transporte de cargas perigosas, é importante que uma série de regras sejam seguidas para garantir a segurança e a manutenção da carga. 

Dessa forma, caso o transporte ocorra de maneira inadequada, há o risco de causar danos ao meio ambiente e à vida humana. Por isso, o cuidado deve ser redobrado tanto no armazenamento quanto na movimentação da carga. 

Veja, neste conteúdo, o que é o transporte de cargas perigosas e quais as boas práticas para uma entrega segura! 

O que é o transporte de cargas perigosas?

Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o transporte de cargas perigosas refere-se à movimentação de produtos de natureza química, biológica ou radiológica e que são nocivas ao meio ambiente e ao ser humano. A Resolução 5.232/16 e a Resolução 5.848/19 trazem informações acerca do regulamento do transporte rodoviário no país e lista quase 3 mil mercadorias que são enquadradas como cargas perigosas. 

Assim, por medida de segurança, os produtos são classificados de acordo com sua natureza. Dessa forma, em caso de vazamento ou perda, é possível tomar as medidas corretas a fim de não piorar a situação. Veja a divisão:

  • explosivos: substâncias que produzem gases e calor, como pólvora ou nitroglicerina;
  • gases: esses produtos dispersam-se facilmente e não apresentam odor ou cor, como gás de cozinha, cloro e amônia;
  • líquidos inflamáveis: esses produtos geram reação de combustão em alta temperatura. Isso ocorre com os combustíveis, como gasolina, álcool e óleo diesel; 
  • sólidos inflamáveis: essas substâncias se tornam inflamáveis com o atrito ou contato com chamas, como o enxofre;
  • substâncias tóxicas: produtos químicos capazes de causar danos sérios à saúde do ser humano, como os pesticidas. 
  • material corrosivo: seja no estado líquido seja no estado sólido, os materiais corrosivos causam queimaduras ao entrar em contato com a pele, como o ácido sulfúrico e hidróxido de sódio. 
  • material radioativo: utilizados na área industrial e no setor hospitalar, esses elementos liberam radioatividade e precisam ser transportados em containers blindados de chumbo que garantam que a radioatividade não se espalhe. 

Quais os cuidados necessários no transporte de cargas perigosas? 

Devido aos riscos existentes ao movimentar produtos perigosos, a transportadora e o condutor precisam seguir alguns cuidados. Confira os principais.

Uso de equipamentos de segurança obrigatório

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) garantem que o motorista e os auxiliares estarão protegidos de possíveis contaminações quando as cargas perigosas estiverem sendo manuseadas. Assim, o EPI deve ser utilizados, principalmente na carga e descarga dos produtos. É importante verificar com o cliente qual EPI necessário para cada tipo de carga, afinal, esses equipamentos podem variar conforme as características da carga. 

Utilização de embalagem adequada


Para garantir a segurança do transporte, é importante utilizar as embalagens adequadas e escolher os tipos certos de caminhão. No caso da embalagem, é ela que resguardará o usuário de entrar em contato com o elemento perigoso. Por isso, elas devem ser confeccionadas com os materiais corretos e de qualidade. 


No caso do caminhão, é ele que garante que a carga perigosa não sofrerá nenhuma transformação, por isso, o transporte deve seguir as regras de cada tipo de produto para que os elementos não vazem, entrem em combustão ou mudem seu estado físico durante a viagem. Além disso, tanto a embalagem quanto o caminhão devem estar identificados e sinalizados com o tipo de substância que está sendo transportada. 

Classificação dos produtos perigosos 

Para facilitar a movimentação de produtos perigosos, foram criados códigos, símbolos e placas de identificação desse tipo de carga. Assim, em caso de acidentes, é mais fácil para as autoridades identificarem o produto e agirem da maneira correta. Ao todo são nove classes e algumas têm subcategorias. 

  • Explosivos – classe 1;
  • gases – inflamáveis, não inflamáveis e tóxicos – classe 2;
  • líquidos inflamáveis – classe 3;
  • sólidos inflamáveis – classe 4;
  • oxidantes – classe 5;
  • substâncias tóxicas e infectantes – classe 6;
  • material radioativo – classe 7;
  • corrosivos – classe 8;
  • outras substâncias que possam causar perigos – classe 9;
  • reagentes com água – classe X.

Para sinalizar esses itens, utiliza-se os painéis de segurança que são retangulares com a cor laranja contendo o número ONU e o número de risco. O número ONU trata-se de um número composto por quatro algarismos, fixado na parte inferior do painel e que ajuda na identificação da substância. 

O número de risco refere-se à categoria e intensidade do risco, sendo formado por dois ou três algarismos. A relevância do perigo é registrada da esquerda para a direita e sua identificação segue a classe de risco. Por exemplo, 30 é um painel de segurança relativo a líquidos inflamáveis sem riscos secundários. Para um painel 33, temos líquidos muito inflamáveis e 333 altamente inflamáveis.

Transporte exclusivo de cargas perigosas 

Nesse tipo de transporte, não há a possibilidade de dividir a entrega com outros tipos de cargas. A Resolução da ANTT versa que em veículos que transportam produtos perigosos não pode haver nenhum outro tipo de produto, principalmente, alimentos, medicamentos ou outros tipos de cargas perigosas.  

Treinamento da equipe

A legislação brasileira de trânsito é bem rígida quanto à qualificação do motorista que trafega com substâncias perigosas. Os condutores devem possuir a certificação de Transporte de Produtos Perigosos (TPP). 

No curso, eles aprenderão sobre a legislação específica dos produtos perigosos, prevenção de acidentes e combate a incêndios e outras situações que podem ocorrer. Além disso, é importante que a própria transportadora ofereça cursos e instruções específicas para que toda a equipe fique segura desde o armazenamento até o envio da carga ao seu destino. 

Qual a documentação exigida para esse tipo de transporte?

Além do curso exigido ao motorista e os cuidados com embalagem, esse tipo de movimentação requer algumas documentações a mais. Confira o que deve estar em posse do condutor:

  • CNH do motorista;
  • documentação do veículo com as devidas licenças necessárias para o transporte de cargas perigosas;
  • declaração de carga emitida pelo expedidor contendo a descrição completa do produto transportado;
  • guia impresso para o caso de ocorrência de acidente, indicando quais os procedimentos de segurança indicados;
  • documento comprobatório de realização de Curso de Transporte de Produtos Perigosos (TPP) do motorista; 
  • documento de inspeção técnica veicular;
  • demais declarações, autorizações e licenças previstas.

Portanto, podemos concluir que há diferentes tipos de transporte de cargas perigosas e cada produto tem características distintas. Essa prestação de serviço requer muito cuidado e técnica, por isso, é fundamental optar por uma transportadora que entende a relevância do serviço e tem know how para operá-lo. A Latino Cargas tem experiência nesse tipo de movimentação não só no Brasil, mas também em países do Mercosul. 

Se você está à procura desse tipo de transporte, entre em contato conosco e faça uma cotação! 

Recomendo para você

Voltar ao Blog

Receba nosso conteúdo exclusivo no seu email

Agora sim! Fique atento na sua caixa de entrada.
Opa! Deu erro. Faz o seguinte, atualiza a página e tenta que vai dar certo.